Contos do Adamastor

Estorias surreais de pessoas irreais, contadas por um advogado ranzinza, carente, gentil e docil como um pequeno sagui silvestre. Nao recomendado para minorias intelectuais ou pessoas que se ofendem facilmente. Email: adamastor-em-gmail.com (sim, eu tenho um email do Google. Isso porque eu sou um nerd influente e poderoso)

19.7.05

All you need is buceta



A frase acima, chupinhada descaradamente de uma música do quarteto de Liverpool, demonstra o poder que uma xota exerce sobre o macho masculino, de tal sorte que seu destino e sua vida se modificam radicalmente.

A estorinha de hoje é mais uma vez baseada em minha vivência de homem experiente.

Prestem bem atenção.

Tenho um amigo que tinha como programa preferido passar os fins de semana ouvindo aquelas bandas toscas de death metal (perdôem o pleonasmo), que exaltam o coisa-ruim e que relatam atos de necrofilia, sexo com gordas e outras coisas nojentas.

Era um sujeito um tanto quanto perturbado. Seu fotolog era recheado de fotos de pessoas dilaceradas e de cadáveres que partiram dessa para melhor em situações desagradáveis e dolorosas.

Pior foi quando de uma hora para outra, ele começou a cismar com suicídio, e ficou publicando fotos dele se enforcando.

Antes que eu fosse na casa dele dar-lhe um pescotapa para que ele recobrasse o juízo e a ombridade, algo aconteceu de forma súbita e imprevisível (sobre acontecimentos súbitos, vide a 1a. parte da estória da Tássia, onde explico o que é isso. A 2a. parte vem ai. Tássia vai ser o Harry Potter da literatura brasuca).

O moleque arranjou uma namorada.

E antes de mim.

Logo ele, que era todo esquisitão. Que adorava todas essas merdas que a internet oferecem para os losers passar tempo enquanto suas patéticas vidas não chega ao fim.

A menina não era grande coisa, mas era peituda e tinha um tremendo capô de fusca. O sujeito ia se fartar naquelas carnes.

Depois que provou do melado (literalmente), o birutinha se fartou. E como.

Sua vida jamais foi a mesma. O fotolog, antes entregue ao tinhoso e toda a ruindade rubro-negra que ele representa, agora tratava de coisas banais, como passeios na Lagoa, jantares na casa da namorada, filmes que ele via no cinema, etc.

O site perdeu bastante a graça. Confesso que curtia um pouco em ver o exercício de demência do moleque. O amor o tornou normal, e portanto, chato.

Nunca mais falei com ele. Acho que fiquei com inveja de seu sucesso amoroso, confesso. Parei de acompanhar seu fotolog, pois a felicidade alheia é algo doloroso para nós, figuras invejosas e ácidas.

Contudo, não posso deixar de reconhecer que a buceta tem poderes mágicos que podem mudar a vida de um rapaz.

Meninas, pensem nisso antes de regular essa mixaria.