Contos do Adamastor

Estorias surreais de pessoas irreais, contadas por um advogado ranzinza, carente, gentil e docil como um pequeno sagui silvestre. Nao recomendado para minorias intelectuais ou pessoas que se ofendem facilmente. Email: adamastor-em-gmail.com (sim, eu tenho um email do Google. Isso porque eu sou um nerd influente e poderoso)

12.6.05

A morte e a ressurreição de um super-herói



Disseram que eu havia morrido. Que eu fui assassinado pelos fãs das placas Raedon, pelos usuários da Fleshlight, pelos mórmons, pelos judeus ortodoxos e pela Opus Dei.

Quase.

Tio Ada precisou tirar um tempo e dedicar-se ao seu honroso trabalho de adevogado. Estive no exterior, ajudando uma certa celebridade de origem afroamericana que tinha uma suposta atração erotico-afetiva com impúberes. Sim, ele é esquisitão e tem cheio de gente velha.

Pois bem. Após um cansativo e hercúleo esforço mental e intelectual em defender o supracitado bizarro, meus esforços valeram a pena. A mim, obviamente.

Enchi o cu de dinheiro e a mala de muamba.Trouxe Ipod, uma placa de vídeo foderosa e um dvd para deixar meu carro mais paraíba (nota da redação: a linguagem politicamente correta "para deiar carro mais paraíba" chama-se tuning).

Voltarei a escrever nesse seleto espaço. Não sei se existirá alguem ainda para lê-lo. Que se dane. Sempre escrevi aqui para ser uma terapia psicologica para meu tratamento psicotico-depressivo.

Quem encomendou muamba, que me ligue.

beijao a todos.