Contos do Adamastor

Estorias surreais de pessoas irreais, contadas por um advogado ranzinza, carente, gentil e docil como um pequeno sagui silvestre. Nao recomendado para minorias intelectuais ou pessoas que se ofendem facilmente. Email: adamastor-em-gmail.com (sim, eu tenho um email do Google. Isso porque eu sou um nerd influente e poderoso)

23.8.04


Para tentar provar a sua dileta genitora que nao eh gay, apesar de dormir pelado com seu primo, o rapaz de barbicha abraca uma moca de trajes comportados numa badalada festa na Zona Sul do Rio. Pelo modo em que abraca a menina, percebe-se que ele nao entende do babado, pois a norma culta da etiqueta moderna exige que, em eventos como esse, o rapaz enfie sua mao por baixo da saia da dama, com o dedo medio em riste.