Contos do Adamastor

Estorias surreais de pessoas irreais, contadas por um advogado ranzinza, carente, gentil e docil como um pequeno sagui silvestre. Nao recomendado para minorias intelectuais ou pessoas que se ofendem facilmente. Email: adamastor-em-gmail.com (sim, eu tenho um email do Google. Isso porque eu sou um nerd influente e poderoso)

17.6.04

Sumiço



Enquanto rapazolas brincam nos comentários e praticam a masturbação recíproca (conhecida popularmente por troca-troca), o Tio Ada estava lutando pela Justiça, pela dignidade, pela moralidade e pela honestidade, ou seja, por tudo aquilo que a família brasileira, esta grandissíssima merda, ignora ou faz questão de desconhecer.

Tive de enfrentar meu arqui-inimigo jurídico, o Dr. Frutinha, um gordinho imberbe e com franjinha, que traiu o clã dos Adamastor. Meus superiores pediram para eu perdó-lo e bani-lo. Eu não segui os conselhos dos anciãos e resolvi caçá-lo e puní-lo. Ele arregou, e mandou uns adevogados de porta de cadeia me desafiar, mas o poder do mojo, de anos e anos de adevocacia shaolin, derrotaram facilmente esses párias.

Dr. Frutinha sabe que o seu fim está próximo, e luta desesperadamente pela vida. Eu, apenos aguardo o momento certo da vingança.

Enquanto isso, eu vigio.

E bato aquela punhetinha camarada, pra dar uma relaxada.