Contos do Adamastor

Estorias surreais de pessoas irreais, contadas por um advogado ranzinza, carente, gentil e docil como um pequeno sagui silvestre. Nao recomendado para minorias intelectuais ou pessoas que se ofendem facilmente. Email: adamastor-em-gmail.com (sim, eu tenho um email do Google. Isso porque eu sou um nerd influente e poderoso)

21.6.04

Recados solenes e oficiais



Estou devendo o post sobre o meu Dia dos Namorados. Ainda hoje eu publico essa doce e enternecida estória.

Falando em doçura, tirei os comentários, pois um zé-ruela qualquer estava usando meu nome para aporrinhar meus queridos leitores.

Eu poderia botar um novo sistema de comentários, daqueles que identificam e exibem o IP das pessoas, mas acho que seria indelicado com meus prezados amigos, pois esse blog, apesar de mentiroso e cara de pau, sempre foi pautado na confiança, do tipo eu-escrevo-de-graça-pra-vocês-e-vocês-não-bagunçam-o-coreto.

Contudo, esclareço que estou de muito bom humor; afinal, provei um maravilhoso fondue de papel e descobri que fobofobia era medo de ter medo.

Além disso, conheci pessoas sensacionais (único defeito delas: torcerem pro time do Galinho de Quintino, o inesquecível perdedor de pênaltis) e ainda tirei foto com uma atriz (!?) dos Trapalhões.

Com momentos como esse, quem se importa com um punheteiro de comentários?

Depois eu volto. Beijão na perseguida de vocês, criançada.

PS: O parágrafo acima ficou meio pedófilo, mas entendam "criançada" como qualquer mulher, não dez-pras-sete, com mais de 18 anos, no uso e gozo de sua sanidade.