Contos do Adamastor

Estorias surreais de pessoas irreais, contadas por um advogado ranzinza, carente, gentil e docil como um pequeno sagui silvestre. Nao recomendado para minorias intelectuais ou pessoas que se ofendem facilmente. Email: adamastor-em-gmail.com (sim, eu tenho um email do Google. Isso porque eu sou um nerd influente e poderoso)

31.5.04

Meu novo empreendimento musical



A recente celeuma envolvendo o Tommy Pennis e seus amiguinhos da sauna da Pres. Wilson atrapalhou minhas postagens (quase) diárias nesse espaço, impedindo a divulgação de minhas peripécias e desventuras.

Assim, devo avisar aos meus clientes, fãs e amigos que o meu projeto musical, a banda "Cinco Crioulos num Chevette Preto", teve de ser temporariamente suspensa, enquanto não surge um guitarrista no quilate do antecessor, o Léo Preto, que abandonou a vida musical e amigou-se com uma puta de Além Paraíba.

Contudo, a pausa prematura dos trabalhos de minha banda não interrompem minha carreira musical. Já tenho um projeto novo, ainda sem nome, que surgiu meio do acaso.

Certa vez, enquanto coxeava uma balzaca na Lapa, minha atenção foi desviada para um senhor escuro, de terno idem,que cantava um sambão bacana num bar próximo.

Abandonei a trintona e fui-me entreter com os sambas do coroa. "Seu Chico", o nome da figura. Me amarrei. Voltei várias vezes lá e ficamos amigos. Decidimos, meio na brincadeira, formar um projeto musical, misturando música eletrônica, samples, loops e tosqueiras com a sua voz de sambista.

Chamei até o camarada pra conhecer meu pequeno estúdio, que fica no meu quarto. O cara estranhou de início, é verdade, pensou que fosse cantada, mas acabou comparecendo e compusemos algumas canções bacanas.

Já gravamos "Mijei na Macumba" (a estória de um homem que fica com problemas de ereção por conta de um despacho macumbístico da sogra), uma regravação sacana de "Chove Chuva", do Jorge Benjor (mudada para "Morde e Chupa") e ainda o nosso carro-chefe, a faixa-de-trabalho, "Cansei desse teu cu magro".

O grande problema dessa última música, ainda, é a métrica poética alexandrina.Os dois primeiros versos, originalmente, eram:

De tanto dar afago
Cansei desse teu cu magro


Não gostei. Seu Chico propôs a seguinte:

Cansei de ter dar afago
Cansei desse teu cu magro


O resto não posso publicar, por questões de Direito Autoral, pois a música não foi registrada no órgão competente (me parece que é a Escola de Música da UFRJ).

Pretendemos fazer um pocket-show-teste no playground do meu prédio, com a participação especial dos meus antigos camaradas do "Cinco Crioulos": Chininha (que na verdade, é japonês), Pintinho e Leleco.

Desejem-me sorte.