Contos do Adamastor

Estorias surreais de pessoas irreais, contadas por um advogado ranzinza, carente, gentil e docil como um pequeno sagui silvestre. Nao recomendado para minorias intelectuais ou pessoas que se ofendem facilmente. Email: adamastor-em-gmail.com (sim, eu tenho um email do Google. Isso porque eu sou um nerd influente e poderoso)

13.4.04

O Dia D



Hoje, oficialmente, é o meu Dia D. Venci a horda de furúnculos que atacou silenciosamente e ardilosamente o meu traseiro. Fiquei com uma cicatriz, o que vai interromper a minha atuação em filmes pornôs caseiros.

Agradeço a todos os meus leitores, inclusive aos que riram da minha desgraça.


Orkut? Grandes merda!



Embora tenha sido gentilmente convidado pelo rapazinho Rafa (sem link) a integrar à comunidade digital de amiguinhos Orkut, vejo que estou progredindo. Já tenho quase 20 amiguinhos.

Acho que só conheço mesmo, na verdade, um ou dois.

Com base nisso, cheguei as seguintes constatações:

1. eu não tenho amigos;

2. meus amigos (imaginários) não são nerds;

3. não existem comunidades com os mesmos interesses que eu, como os fãs do Laboratório Infantil e gente que gosta de fazer mágica em casa.

Tem gente que, ao ver a minha foto, vira a cara e me deixa falando sozinho. E que se foda.


Tio Ada vê São Paulo



Em poucas palavras, o que eu percebi de São Paulo:

1. A rixa entre cariocas e paulistas é lenda. Os paulistas admiram a sagacidade, a malandragem e o molejo do carioca.


2. O Corínthias é o Flamengo deles, i.e., é o time dos bandidos, marginais, delinquentes, contraventores e, logicamente, dos porteiros;


3. Ao cumprimentar uma paulista, só se dá um beijinho no rosto;


4. Há mais japoneses do que crioulos. Não estou falando de mulatinhos, mas de pretos, de gente puro malte escocês;


5. A garotada está usando muito aquele topetinho estilo Netinho. Tá na moda. Mudariam de penteado se soubessem que aqui no Rio é conhecido como "alça-de-boquete";


6. Não se pode tirar foto no Museu do Ipiranga. Problemas de Direitos de Imagem. Paulista não sabe divulgar o que tem de bonito;


7. As paulistas acham "engraçadinho" e "bonitinho" a sensual pronúncia carioca;


8. É impossível definir a sexualidade de um paulista. Às vezes você jura que o cara é viado, mas ele é espada e comedor, às vezes você tem certeza que o cara é macho, mas ele gosta de morder a fronha. É um povo confuso, portanto;

9. Não sabem o que é "dixavar";

10. Os paulistas não têm o nosso tradicional e ancestral costume de coçar o saco em público;

11. O metrô de São Paulo é tão confuso, tão cheio de conexões e ramificações, que nem o povo local sabe andar nele;

12. Não há ciganas na rua;

13. Há gente que usa terno nos fins de semana. E não são pastores.

14. Toda loja tem um vendedor-malandrinho-metido-a-skatista. Até as de roupa social. Deve ser alguma coisa de sindicato;

15. Não se vende tanto Alisabel quanto no Rio.