Contos do Adamastor

Estorias surreais de pessoas irreais, contadas por um advogado ranzinza, carente, gentil e docil como um pequeno sagui silvestre. Nao recomendado para minorias intelectuais ou pessoas que se ofendem facilmente. Email: adamastor-em-gmail.com (sim, eu tenho um email do Google. Isso porque eu sou um nerd influente e poderoso)

25.3.04

o desaparecido



Negligenciei essa porra, é verdade, mas os compromissos da vida real tem sido urgentes e demandaram toda a minha malemolência e ardilosidadade (?!).

Aconteceram muitas coisas em minha vida nessa quinzena, tais quais:

01. Voltei com a Morena da Escada. Não vou assinar a CTPS. Apenas trepadas semanais e um cineminha. Sem andar-de-mãozinha-dada e ligações telefônicas pra matar saudade. Apenas sexo e amizade.

Esse "revival" aconteceu numa festa, aliás, no banheiro da festa, em que ela pode lembrar porque sou conhecido como "gigante pela própria natureza" (a piada é incrivelmente idiota e pretensiosa, mas eu sou idiota e pretensioso).

Como eu sempre ando com as minhas Prudence (TM), pude machucar a tubiba da mulata no banheiro.

Mas eu fui discreto e carinhoso. Ainda beijei na boca e liguei no dia seguinte, a título de boas-maneiras.

02. Um parente querido morreu. No enterro, conheci a parte pobre da minha família. Gente feia, mindinga, suarenta e carcomida. Essa descoberta foi quase tão dolorosa quanto à perda do ente amado. Tinha uma gorda de mini saia e pêlos da perna alourados. Devia estar querendo arrumar homem, mas cemitérios não são bons para sexo, exceto para os fãs da necrofilia.

03. Dei um esporro fenomenal num cliente. Nunca fiz isso nesses seis anos de adevocacia marota. O camarada me devia uma grana de honorários. Mandei uma cartinha educada, lembrando o filho da puta de sua obrigação para com minha pessoa. Acontece que quem abriu a carta foi a mulher do infeliz, que lhe deu um esporro (o primeiro do dia). Em seguida, o cara, com a orelha quente, me liga, tentando descontar em mim a vergonha que passou perante a sua patroa.

Eu respirei fundo e tentei mostrar a ironia da situação. O devedor moroso querendo tirar satisfação com o credor. Ele não compreendeu a situação e descascou pra cima da minha pessoa.

Daí, usei a famosa tática da "retorsão imediata". Sugeri que ele cedesse gratuitamente seu orifício retro-furincular por meia-hora, a título de perdas e danos.

Desliguei o telefone. E terminei dizendo:

"E Acabou a amizade".

04. Comprei uma câmera digital. Vou poder tirar fotos das minhas mulheres (como se eu tivesse alguma). Já aprendi pra que serve o flash. Calculo que vá levar um ano pra eu entender o que seja "obturador" e "ISO".

05. Estou fazendo testes para guitarristas da minha banda, "Cinco Crioulos num Chevette Preto". Léo Preto, o antigo titular do posto, se casou com uma puta (profissa) e foi morar em Além Paraiba. O candidato precisa saber tocar "Brasileirinho".

06. Entrei pra essa porra de Orkut. Tenho apenas 4 amiguinhos, camaradas gentis e meigos. Nunca vi tanta gente feia junta naquela porra. O curioso é que você vê o perfil desses blogueiros famosos. São todos pessoas problématicas, infelizes, neuróticas e de pintos de pequenas dimensões.

07. Eu vi a Vera Gimenez na academia. É meio constrangedor você conhecer pessoalmente alguém a que eram dedicadas algumas punhetas na pré-adolescência.

08. Quanto à minha prisão, foi por sedução de menores, obviamente. Agradeço ao Mestre André pelo envio das supramencionadas putas, mas me virei rachando um habeas corpus com o Naya, que é meu novo amigo de infância.