Contos do Adamastor

Estorias surreais de pessoas irreais, contadas por um advogado ranzinza, carente, gentil e docil como um pequeno sagui silvestre. Nao recomendado para minorias intelectuais ou pessoas que se ofendem facilmente. Email: adamastor-em-gmail.com (sim, eu tenho um email do Google. Isso porque eu sou um nerd influente e poderoso)

24.10.03

Resoluções de fim de ano



Aproveitei a pacata manhã de sexta-feira para meditar sobre a vida enquanto ouvia minhas mp3 *legalizadas*.

Nesse momento único, de relaxamento, em que afrouxei minhas calças, decidi, então, que iria interromper, por tempo indeterminado, a prática de comer carne nova.

É isso aí. Não quero mais saber de fedelhas na casa dos 16-22 anos, universitárias e afins, que gostem de Charlie Brown Jr., reggae, college-forró, téquino e, principalmente, Tribalistas.

Chega. Cansei. Parei com essa gente.

Fundamentei essa minha enérgica decisão no fato de que as mulheres mais jovens é que são as maiores causadoras do "excesso de cu doce", essa séria disfunção sócio-sexual que afeta o homem hodierno.

É claro que isso tem raiz nas mensagens doentias que da revista "Nova", com suas redatoras machonas, que pretendem destruir o homem e tornar o mundo uma terra sem lei, habitada por lésbicas musculosas e peitudas que ouvem Alanis Morrissete (ela nunca me enganou) e Edson Cordeiro (essa, menos ainda).

Voltarei ao meu público-alvo: as balzacas. Sabem conversar, foder e não perdem tempo em formalidades desnecessárias. Já tem anos de serviços prestados e já tiveram o furor uterino amaciado por diversas varas.

Espero, assim, que as retrocitadas fedelhas sofram com as consequências de seus atos. Que fiquem em casa nos sábados a noite, assistindo "Zorra Total", e reclamando do excesso de celulite das vadias que aparecem naquele odioso programa.