Contos do Adamastor

Estorias surreais de pessoas irreais, contadas por um advogado ranzinza, carente, gentil e docil como um pequeno sagui silvestre. Nao recomendado para minorias intelectuais ou pessoas que se ofendem facilmente. Email: adamastor-em-gmail.com (sim, eu tenho um email do Google. Isso porque eu sou um nerd influente e poderoso)

16.6.03

Torpedos e a mulher dos outros



Apesar de não estar comendo ninguém a título gratuito, informo que sou um rapaz bem-apessoado e que desperta a atenção das moças.

Geralmente, após a segunda dose alcóolica.

Apesar dos pesares, recebi nesse Dia dos Namorados um "torpedo" (for dummies: mensagem de texto enviada de um celular para outro) da secretária do meu antigo escritório.

Dizia o seguinte, in verbis:

Feliz Dia dos Namorados, meu amor.
Da sua número 2.
Beijão, Fabi.


Confesso que fiquei surpreso. Sempre arrastei asa pra essa morena. Porque só agora ela iria ceder? Será que eu fiquei mais bonito? Será que ela descobriu que o meu blog me tornou um popstar, já que qualquer blogueiro acaba aparecendo na TV? O que essa mulher queria comigo?

Todo caso, o membro baixo falou alto. Liguei pra moça e agradeci, perguntando "se era pra agora ou pra viagem".

Ela sorriu, disse que estava ocupada no telefone e iria me telefonar mais tarde.

A vadia não me telefonou.

Quem liga pro meu celular, no dia seguinte, é um malandro, dizendo-se namorado da menina. Disse que havia descoberto que ela havia mandado um torpedo pro meu telefone.

O cara, extremamente educado e quase que subserviente, pedia, aliás, quase que implorava, para eu não ligar mais pra ela, etc e tal.

Fui sincero com o sujeito. Disse que não sabia o que estava ocorrendo. Nem que ela tinha namorado. E quem mandou a mensagem foi ela.

Ele falou que isso o havia deixado chateado, que o casalzinho brigou feio por minha causa no Dia dos Namorados.

Falei pra ele que não tinha nada com isso, que eu era um homem comprometido (mandei uma mentira boa) e que não iria mexer com a mulher de ninguém.

Ele agradeceu e desligou.

Achei tudo muito estranho. Será que tudo isso não passou de um trote? Ou essa piranha estava me usando para fazer ciúmes ao namorado que, segundo soube, era meganha?