Contos do Adamastor

Estorias surreais de pessoas irreais, contadas por um advogado ranzinza, carente, gentil e docil como um pequeno sagui silvestre. Nao recomendado para minorias intelectuais ou pessoas que se ofendem facilmente. Email: adamastor-em-gmail.com (sim, eu tenho um email do Google. Isso porque eu sou um nerd influente e poderoso)

15.6.03

Receitas advocatícias do Tio Adamastor



O grande problema de ser advogado é que sempre tem um imbecil, geralmente parente, que acredita que você é obrigado a conhecer todas as leis federais, leis municipais, decretos-leis, regimentos internos, portarias e porcarias do Brasil.

Se você não souber, só faltam te chamar de burro, dizendo que seus pais foram otários de pagar a faculdade pra um mané que não sabe as 12 milhões de normas vigentes no País.

Não se aflijam, minhas crianças. Tio Adamastor já está ficando raposa velha em alguns assuntos.

Para essa gentalha gonorréica, quando você não souber a resposta para o assunto tratado, diga, com firmeza, que "é uma questão controvertida. Preciso analisar isso com mais cuidado".

Geralmente, os filhas da puta esquecem e nunca mais te perguntam.

Se insistirem, combinem o preço dos honorários, mesmo se for pra parente, e estudem o assunto.

E se não quiserem pagar, não tenham medo de responder:

"Vá procurar a Defensoria Pública. Lá é lugar de pobre".

E lembre-se sempre o que dizia Eduarda P., minha ex-chefe, também conhecida como a "Trepadeira":

"Quem tem pena, leva na bunda".