Contos do Adamastor

Estorias surreais de pessoas irreais, contadas por um advogado ranzinza, carente, gentil e docil como um pequeno sagui silvestre. Nao recomendado para minorias intelectuais ou pessoas que se ofendem facilmente. Email: adamastor-em-gmail.com (sim, eu tenho um email do Google. Isso porque eu sou um nerd influente e poderoso)

23.6.03

Meu filme esquecível



Sabe quando você leva sua namorada na locadora e deixa a mocinha escolher o filme?

Inevitavelmente, ela vai pegar um desses tipos de filme:

a) comédia com bichinhos;
b) algum filme-bomba do Eddie Murphy (aliás, os últimos 30 da carreira dele) ou do seu genérico, Martin Lawrence;
c) algum do "Novo Cinema Brasileiro" ou
d) um drama água-com-açúcar ou uma comédia romântica que, para nós, homens masculinos, é a mesma merda.

Há grande probabilidade de que sua gatinha escolha a opção "d".

Se isso acontecer, pelo amor de Deus, não deixe que ela alugue "Doce Novembro", um fiasco estrelado pelo Keanu Reeves (aquele rapaz que a minha mãe acha parecido comigo) e a Charlize Theron (aquela gata famosa por fazer filmes-bomba. Uma Eddie Murphy de saias).

A estória? Vou simplificar, como se estivesse redigindo a ementa de um acórdão:

Keanu Reeves. Publicitário Ocupado. Carteira de Motorista vencida. Encontra no Detran a Charlize Theron, que o convida pra morar com ela durante um mês apenas. Ele reluta. Ela insiste. Ele faz beicinho. Ela abre as pernas. Ele aceita morar junto, mas quer saber porque só um mês. Ela silencia. Ele investiga com os amigos travestis dela. Ele descobre. Ela confessa. Segue meia-hora de choradeiras e um final babaca e triste.

Chamo a atenção de uma cena perto do final do filme, em que, no almoço de Ação Graças na casa da Charlize, Keanu, com a dramaticidade de voice-mail que Buda lhe deu, adentra a casa da moça, trajado de Papai Noel, carregando uma máquina de lavar-louças (!!) em sua sacola.

Fuja deste filme, meu amigo. Posso dizer que é quase tão doloroso quanto "Morte e Vida Severina", em que é duro de aguentar a magricela da Tânia Alves se esgoelando naquele cenário horroroso.

Mas se a sua namorada insistir veementemente em ver "Doce Novembro", ainda assim, tente a proposta final:

"Benhê, pode pegar, mas hoje vai rolar um por trás, ok?"