Contos do Adamastor

Estorias surreais de pessoas irreais, contadas por um advogado ranzinza, carente, gentil e docil como um pequeno sagui silvestre. Nao recomendado para minorias intelectuais ou pessoas que se ofendem facilmente. Email: adamastor-em-gmail.com (sim, eu tenho um email do Google. Isso porque eu sou um nerd influente e poderoso)

26.6.03

Coisas de que me arrependo:



* de ter jogado o RPG Magic. Me senti um idiota escolhendo poderezinhos e habilidades, enfrentando outros idiotas, que, ao contrário, ACREDITAVAM que possuíam tais poderezinhos e habilidades;

* de ter viajado para Guarapari com minha turma do colégio, em 1992, e ficado na "Cidade de Deus" de lá.

* de ter comido gambá com os meus vizinhos;

* de ter comido uma sósia da Maria Bethânia;

* de ter ido ao Passeio Público, boate frequentada por secretárias carentes, no Centro do Rio, onde fui fotografado com dois espécimes dessa raça;

* de ter comprado um LP do Vitor Biglione;

* de não ter comido a cunhada da minha ex-chefe, Eduarda P;

* de não ter depositado meu líquido seminal na comida da supracitada Eduarda P., quando tive oportunidade para tanto;

* de roer unha do pé, escondido da família;

* de não ter largado o vício da punheta;

* de ter 12.000 fotos de mulher pelada (vide arrependimento anterior);

* de não ter entendido o final enigmático de "Os Trapalhões no Planeta dos Macacos";

* de ter assistido "Doce Novembro". E chorado;

* de sempre chorar ao assistir Cinema Paradiso;

* de ter aprendido a usar Unixware;

* de deixar de fazer coisas importantes para escrever essa besteira.